logo_bco.png

HORÁRIOS

Segunda à sexta:

08:00 - 12:00

13:30 - 17:30

ITAJAÍ

R. Leonardo Teto, 190

Bairro Fazenda        

               (47) 3083-4155

BALNEÁRIO CAMBORIÚ

Al. Delfim de Pádua Peixoto Filho,  nº440 - Bairro Municípios

               (47) 3366-3155

FONOAUDIOLOGIA

A fonoaudiologia se configura na ciência que estuda todos os aspectos relacionados à comunicação humana. Conforme descreve o Conselho Federal de Fonoaudiologia, o fonoaudiólogo é o profissional responsável pela promoção da saúde, prevenção, avaliação e diagnóstico, orientação, terapia (habilitação e reabilitação) e aperfeiçoamento dos aspectos fonoaudiológicos da função auditiva periférica e central, da função vestibular, da linguagem oral e escrita, da voz, da fluência, da articulação da fala e dos sistemas miofuncional, orofacial, cervical e de deglutição.

O trabalho fonoaudiológico na Associação Amor pra Down acontece de forma interdisciplinar, principalmente com profissionais da área da saúde e educação da AAPD, e também em parceria com as escolas regulares, através de reuniões e orientações, pois a construção da comunicação tem relação com todas  as áreas de desenvolvimento humano (neuropsicomotora, cognitiva, emocional e social). 

A intervenção fonoaudiológica é realizada por meio de atendimentos clínicos individuais, incluindo bebês, crianças, adolescentes e adultos, bem como com orientações à família, as quais são realizadas conforme o desenvolvimento e o processo terapêutico de cada usuário. As orientações são realizadas em atendimento, e também por intermédio do atendimento familiar de psicologia, em que a família recebe as estimulações dirigidas a serem realizadas no contexto domiciliar.

Visando a saúde e integridade auditiva de todos os associados, o monitoramento e acompanhamento do desempenho auditivo são realizados em parceria com a fonoaudióloga especialista em audiologia da Associação  Amor pra Down. Leia mais em nossa sessão de Saúde auditiva (criar link).

Conforme avaliação individual realizada, os objetivos terapêuticos baseiam-se em amplas vertentes. Nas estimulações relacionadas à motricidade orofacial, trabalha-se a adequação da postura, tônus e mobilidade dos órgãos fonoarticulatórios - lábios, língua e bochechas, bem como a adequação e monitoramento das funções estomatognáticas – respiração, mastigação, deglutição e sucção. O profissional ainda  acompanha na fase de introdução alimentar em bebês e, se necessário, em outros distúrbios de alimentação que entrem na gama de funções da fonoaudiologia.

Em bebês, a discriminação auditiva é outro fator fortemente estimulado através da habilidade de detectar o som, discriminar, localizar, reconhecer, compreender e manter a atenção no estímulo para processá-lo cognitivamente, visando assim facilitar processos seguintes ao desenvolvimento da comunicação e linguagem, melhorando também capacidades de reconhecimento espacial e temporal.

Na Associação Amor pra Down o trabalho para desenvolvimento da comunicação, fala e linguagem também têm uma grande ênfase, pois iniciamos a estimulação de pré requisitos para o desenvolvimento da fala ao incluir a utilização de gestos representativos de apoio à intenção comunicativa e expressão, e desenvolvendo a linguagem verbal e os aspectos que envolvem a leitura e a escrita. Focando na aquisição e desenvolvimento da linguagem oral são trabalhados: vocabulário (lexical); estrutura das frases (morfossintático) e atividade discursiva o uso  da linguagem em diferentes meios/ ambientes/ situações (pragmática). Diante de atrasos ou dificuldades frente ao desenvolvimento fonológico (omissões substituições na fala, entre outras), são realizadas intervenções específicas e abordagens relacionadas à articulação dos fonemas, para o desenvolvimento destes processos.

Ainda com foco na comunicação, o uso da Comunicação Suplementar Alternativa, CSA (prancha manual/ software) também é utilizado como apoio e/ ou instrumento complementar no desenvolvimento da linguagem, através da construção do material de apoio em conjunto com a família e usuário, de forma que o mesmo possa usar o apoio das imagens para mostrar vontades, sentimentos e se expressar eficientemente, sempre acompanhado da fala e do incentivo de vocalização pelo interlocutor.

Desde 2018, a equipe da Amor pra Down vem realizando capacitações com o Método dos Dedinhos para utilizá-lo como instrumento terapêutico e contribuir para a aprendizagem ao longo da vida de nossos usuários. O objetivo na utilização do Método dos Dedinhos é  contribuir no desenvolvimento de fala, linguagem e dar prontidão ao processo de alfabetização de nossos usuários. Através do Protocolo de avaliação – Método dos Dedinhos, é possível avaliar, traçar o planejamento terapêutico em nível de fala e também para leitura e escrita, como também acompanhar o desenvolvimento de cada usuário nestes domínios. Pois com o uso de gestos específicos que representam cada fonema da língua portuguesa, além de gestos para encontros consonantais e dígrafos o trabalho com nossos usuários é desenvolvido para otimizar os importantes  marcos de desenvolvimento cognitivos e da linguagem oral e escrita.

Saúde Auditiva

 

Pessoas com síndrome de Down tem a prevalência de 75% de perdas auditivas e de 50% a 70% de otites de repetição. Desse modo, de acordo com as Diretrizes de atenção à pessoa com síndrome de Down, as avaliações auditivas são recomendadas anualmente (BRASIL, 2012). A equipe técnica da Amor pra Down, por meio dos laudos dos exames, realiza os encaminhamentos e acompanhamentos necessários.

Visando o monitoramento da saúde auditiva de nossos associados, a Amor pra Down aprovou em 2015 um projeto pelo PRONAS/PCD (Ministério da Saúde), de instalação de uma sala de avaliação auditiva (SIPAR: 25000.069546/2015-09). Realizamos os seguintes exames:

  • Emissões Otoacústicas,

  • Audiometria Tonal Limiar,

  • Audiometria em Campo Livre,

  • Audiometria com Reforço Visual,

  • Logoaudiometria,

  • Imitância Acústica,

  • Potenciais Evocados Auditivos de Tronco Encefálico (PEATE)

  • e Processamento Auditivo Central.

 

Os achados clínicos dos exames nas pessoas com síndrome de Down contribuem na classificação de alterações auditivas existentes, detecção da existência de perda auditiva, auxílio no diagnóstico de alterações de orelha média e monitoramento do desenvolvimento das habilidades auditivas. 

Os cuidados com a saúde auditiva possibilitam maior desempenho na aprendizagem e escolarização, a garantia de experiências auditivas para o bom desenvolvimento da audição e da linguagem e consequentemente melhor qualidade de vida a todos.

CONTATO

DEIXE SUA MENSAGEM

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube